A Revista Ecumênica da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo
Ecumenismo, Espiritualidade e Evangelho-Apocalipse

banner-compra-revista

Nataly Peres Carvalho Bento — São Paulo/SP

Que mensagem extraordinária do Irmão Paiva na sessão solene de conclusão do 42o Fórum Internacional do Jovem Ecumênico da Boa Vontade de Deus [em 1o de julho de 2017]!

Das enérgicas palavras dele, destaco a força que transmitiu ao mostrar que as difíceis realidades do mundo são criadas pelo ser humano ainda distante do seu propósito divino, e não fruto de uma fatalidade causada pelas Profecias do Apocalipse. Vemos nele, o esforço de Jesus para nos resgatar da miséria espiritual que aflige os povos.

Da revista JESUS ESTÁ CHEGANDO!, edição 129 [junho de 2017], lançada no evento, ressalto o subtítulo “Sempre haverá Esperança”, página 40, em que o líder da Juventude Legionária resume este importante ponto: “Se alguma coisa de ruim vier a nos acontecer coletivamente, será pelo abuso do que fizermos do nosso arbítrio livre, não porque o milênio esteja às portas. (…) Não inventemos, pois, obstáculos para as facilidades que Deus coloca em nosso caminho. O progresso bem conduzido, iluminado pela Espiritualidade Superior, é satisfação para os povos. (…) a nossa existência verdadeira é eterna, portanto… sempre haverá Esperança. Temos de sair da tangência dos problemas, para adentrar no cerne das soluções. Daí a importância do Evangelho-Apocalipse, ele é a base de toda a civilização moderna”.

O autor nos ensina a alcançar as soluções definitivas pela vivência do Espiritualmente Revolucionário Novo Mandamento de Jesus. Somente a partir de seu entendimento seremos capazes de mudar o que precisa ser mudado no mundo e contribuir para sua evolução, sem que venhamos a lamentar, no futuro, a oportunidade perdida.

Os jovens se apresentam para a labuta nas fileiras da Boa Vontade, para servir ao Divino Amigo sob a liderança do Irmão Paiva, sem temor, convictos de que ele nos guia para a vitória com Jesus. Agradecemos-lhe por revelar que estamos prontos, que fomos preparados pelo próprio Cristo para essa empreitada e por depositar tamanha confiança em nós.